Viver de renda: 6 hábitos que te deixam mais distante da sua independência financeira

viverderenda6habitosquetedeixammaisdistantedasuaindependenciafinanceira

Ter uma vida tranquila e distante de problemas financeiros, sem ao menos precisar trabalhar, não é um sonho inalcançável, mas é necessário ter em mente que, para viver de renda, disciplina e planejamento são fundamentais. É muito mais difícil conquistar bons resultados quando você gasta descontroladamente.

Caso os velhos hábitos não sejam abandonados, a chance de alcançar a liberdade que tanto deseja pode ficar cada vez mais distante. Confira a lista com 6 práticas prejudiciais que devem ser repensadas e veja as dicas que preparamos para você conquistar a independência financeira!

1. Não definir objetivos

Um dos primeiros passos a serem dados para quem deseja uma vida financeiramente estável é definir quais são seus objetivos. Sem a clareza do que pretende fazer ou comprar, em quanto tempo e de que forma, é mais provável que você gaste todo o dinheiro e termine com a frustração do acúmulo de dívidas.

Liste seus propósitos mais complexos, como comprar uma casa ou fazer uma longa viagem no exterior, e faça as projeções para entender o quanto precisa economizar para atingi-los. Para não se esquecer do que deve ser feito para realizar esses sonhos, anote e coloque em algum lugar que fique sempre à sua vista.

Lembre-se de incluir algumas metas mais fáceis de serem conquistadas à curto prazo! Afinal, as pequenas vitórias também precisam ser comemoradas e dão uma motivação extra para alcançar os objetivos maiores.

2. Não ter controle financeiro

É comum que as pessoas usem o dinheiro ao longo do mês e, ao final, não saibam onde todo o recurso financeiro foi parar. Segundo a Serasa Experian, a falta de um controle rigoroso das contas é um dos problemas que mais levam à inadimplência no Brasil e dificultam a conquista da independência financeira.

Registrar todos os seus gastos diários pode parecer uma tarefa difícil, mas é totalmente necessária para quem deseja viver de renda. É apenas por meio do controle financeiro completo que você saberá de quanto precisa mensalmente para arcar com os custos fixos e para analisar os custos variáveis que podem ser eliminados.

Construa uma planilha em um editor ou utilize aplicativos mobile para fazer o acompanhamento dos seus gastos. Uma dica que vai ajudá-lo a se organizar melhor é categorizar as contas — telefonia, casa, compras e diversão, por exemplo. Dessa forma, fica mais evidente saber quais são as despesas e os investimentos.

3. Fazer dívidas a longo prazo

Acumular muitas parcelas também é um dos hábitos que precisa ser abandonado. A compra parcelada costuma ser repleta de altos juros, que, muitas vezes, levam você a pagar quase o dobro por um produto ou serviço. Além disso, você estará comprometendo seu futuro com dívidas que nem mesmo tem certeza de que poderá pagar.

O pagamento à vista é bom tanto para quem compra quanto para quem vende. Por isso, muitas lojas oferecem excelentes descontos àqueles que optam por essa modalidade. Antes de adquirir qualquer bem ou contratar um serviço, faça uma pesquisa para encontrar os preços que caibam melhor no seu bolso, evitando ao máximo as dívidas.

Caso o parcelamento das compras seja inevitável, como em uma situação emergencial, tente ao menos não fazê-lo a longo prazo e, se possível, dê uma entrada à vista para diminuir o número de parcelas.

4. Não estudar sobre investimentos para viver de renda

É imprescindível manter-se atualizado sobre os tipos de investimentos existentes, entender qual se encaixa melhor nas suas atuais condições e, frequentemente, analisar se vale a pena arriscar um pouco mais em uma nova modalidade. As principais diferenças entre cada um deles são quando serão feitos os pagamentos, o nível de risco e o valor que você precisa receber para manter o perfil de vida que deseja. Alguns exemplos:

  • Tesouro Direto;
  • Certificados de Depósitos Bancários (CDB);
  • Letras de Créditos Imobiliários (LCI);
  • fundos de investimento;
  • previdência privada.

Além do site do Banco Central do Brasil, você consegue encontrar mais informações sobre investimentos em sites de corretoras confiáveis e consolidadas no mercado. Mantenha-se atento às notícias sobre economia e política tanto no contexto brasileiro quanto ao redor do mundo, pois essas questões podem impactar também a sua escolha.

5. Gastar com supérfluos

Você tem o costume de sair para comprar alguns itens básicos e acaba com sacolas lotadas de coisas de que não precisava? As compras por impulso fazem parte do cotidiano de quase 60% dos consumidores brasileiros, que, segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), tem gasto muito com vestuário, acessórios, supermercado e as saídas para comer fora.

Esses custos, se não freados, podem se tornar uma bola de neve nas suas finanças. Muitas vezes, são pequenas compras e parcelas que individualmente parecem poucas, mas, quando somadas ao final do mês, levam boa parte do seu dinheiro embora e comprometem seus objetivos.

Com planejamento, é sempre possível separar uma pequena quantidade para gastar com aqueles prazeres momentâneos, como sair com os amigos para um restaurante ou comprar uma nova peça de roupa. Porém, tenha foco e não ultrapasse o valor que você destinou para isso.

6. Esquecer de rever seu planejamento

Gastos fixos que temos hoje podem não fazer tanto sentido assim mais à frente. Quer um exemplo? Algumas pessoas têm abandonado os canais pagos de TV e economizado muito dinheiro com assinaturas de serviços streaming, que oferecem conteúdos mais próximos ao que gostam de assistir no tempo livre.

Pode ser também que, com o passar do tempo, seus objetivos mudem e você precise fazer alguns ajustes. Não há nenhum problema nisso! O importante é definir uma periodicidade para rever o planejamento financeiro e entender se o que foi colocado no papel ainda faz sentido para você.

Mudar os maus hábitos financeiros é algo a ser feito com urgência por quem deseja viver de renda. Pode até ser que leve um pouco de tempo para desapegar das saídas todos os fins de semana ou da mania de parcelar todas as compras, mas os resultados de eliminar essas práticas são imediatos: você terá muito mais dinheiro para investir e, futuramente, não precisará mais trabalhar!

Gostou deste conteúdo e quer outras dicas sobre planejamento financeiro? Acompanhe o nosso BLOG!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin