Rebalanceamento de carteira

Rebalanceamento de carteira

Você sabe do que se trata o rebalanceamento de carteira? Ao investir, todo entusiasta e praticante dessa atividade conta com uma estratégia. Com o passar do tempo, nem todos os ativos a contemplam e, por isso, é importante realocá-los. Pode-se dizer, de maneira geral, que rebalancear a carteira é fundamental para garantir que objetivos sejam atingidos.

Porém, como fazer isso? O que, de fato, pode-se garantir em termos de benefícios ao aplicar essa técnica? Quais as melhores práticas para realizá-la? Todas essas questões serão discutidas neste artigo a fim de auxiliá-lo na hora de manter o foco no que realmente importa: aproveitar ao máximo a rentabilidade de sua carteira. Se você deseja entender mais sobre o assunto, não deixe de prosseguir com a leitura!

O que é o rebalanceamento de carteira?

De maneira geral, o rebalanceamento de carteira diz respeito a uma prática que deve ser realizada periodicamente pelo investidor. Chegada a hora, ele deverá analisar todas suas aplicações, levando em conta uma série de fatores, como:

  • o mercado financeiro;
  • as mudanças referentes ao seu perfil de consumidor (suitability);
  • seus objetivos;
  • a desvalorização de alguns ativos e a valorização de outros;
  • novas oportunidades e muito mais.

Mas por que, exatamente, é preciso fazer isso? A explicação é simples. Sem reavaliar sua carteira de tempos em tempos, ela pode deixar a desejar. Isso significa que ela não atingirá os objetivos a que se propõe e poderá fazê-lo, até mesmo, perder dinheiro. Ao entender de maneira exata para que serve essa técnica, será mais simples compreender seus benefícios.

Para que serve essa técnica?

A técnica do rebalanceamento de carteira é antiga e não diz respeito apenas à rentabilidade das escolhas feitas. Ela visa ao alinhamento do investidor com oportunidades diversas. Muitas vezes, imprevistos mudam o curso de vida de famílias e indivíduos. Junto a isso, novas oportunidades surgem. Consequentemente, objetivos diferentes são atribuídos às finanças.

Filhos, viagens, férias, educação… São muitos os fatores que podem pedir que novas metas sejam atendidas. É por isso que o investidor deve rebalancear sua carteira. Além disso, é sabido que muitos ativos perdem seu valor ao longo do tempo. Assim, eles devem deixar a carteira e abrir espaço para opções em alta e que se alinhem às demandas do momento.

Por que fazer o rebalanceamento de carteira?

Compreendidos os motivos por trás do rebalanceamento de carteira, é hora de conferir os benefícios atrelados à prática. Conforme dito, eles vão além da rentabilidade, permitindo que haja adequação do investidor com o mercado e com sua realidade. Confira!

Lucro

Remover e inserir aplicações em uma carteira afeta, diretamente, o lucro do investidor. Isso acontece uma vez que ele se torna capaz, por exemplo, de comprar ativos na baixa e vendê-los quando estiverem em alta. Além disso, ele pode buscar o equilíbrio perfeito entre prazos de aplicações, balanceando, de fato, sua carteira.

Alinhamento com a suitability

Ao modificar alguns fundos de investimento, por exemplo, de uma carteira, é possível manter as aplicações de acordo com seu perfil. Afinal, conforme dito, a suitability pode mudar de tempos em tempos e de acordo com as necessidades do momento. Ao rebalancear seus investimentos, você impede que opções que fujam delas façam parte de sua carteira.

Redução de riscos

Assim como acontece com a rentabilidade, os riscos de um investimento também se alteram com o tempo. Mesmo que esse não seja o caso de sua carteira, é importante revisitar a relação entre tempo, lucro e valor de suas aplicações. Assim, é possível substituir opções arriscadas por outras que rendam de forma similar ou superior.

Segurança

Para qualquer investidor, é muito importante proteger-se contra ciclos econômicos. Eles são impossíveis de prever com exatidão, mas se mostram de maneira antecipada para aqueles que entendem do assunto. É por isso que um bom investidor deve se manter sempre atualizado em relação ao mercado.

Ao utilizar o rebalanceamento de carteira ao seu favor, é possível trocar investimentos com um futuro incerto e perigoso por aqueles que promovam estabilidade e melhores rentabilidades. Em suma, é possível chegar cada vez mais perto da carteira de investimentos ideal.

Quais as melhores práticas do rebalanceamento de carteira?

Não é difícil perceber o quão importante é para o investidor a prática explicada. Além de conhecê-la e entender sua função, é preciso, finalmente, aprender a realizar o rebalanceamento de forma adequada. Para isso, serão explicadas boas práticas e atitudes que levam à carteira ideal. Veja.

Venda ou compra de ativos

Caso o objetivo do investidor não se altere drasticamente ao longo do tempo, é interessante realizar a compra e venda de ativos. Isso é dito em relação à troca de um tipo de aplicação por outra e é feito visando a volta da carteira ao seu estado original, ou seja, aquele que atende às expectativas iniciais. Porém, dessa vez, com opções atualizadas e que otimizam resultados.

Análise dos custos

Outro ponto fundamental na hora de modificar ou acrescentar itens à carteira é a necessidade de atentar para que os custos não ultrapassem a rentabilidade obtida. Muitas vezes, em especial, ao seguir recomendações leigas, pode-se trocar seis por meia dúzia ou cair em um investimento que não compense para você.

Monitoramento

Acompanhar os resultados é o passo final e mais importante para o rebalanceamento de carteira. Afinal, ele deve compensar. Uma vez que o mercado financeiro não é estável a todo tempo, é possível que você perceba que fez escolhas equivocadas algum tempo depois das mudanças. Porém, não é preciso se preocupar.

Se feito com parcimônia e por meio de uma corretora de bolsa de valores confiável, a chance de precisar abrir mão de alguma aplicação ou trocá-la se torna menor. Com isso, você utiliza o rebalanceamento de carteira ao seu favor e otimiza a relação entre tempo e rentabilidade de seus ativos.

É claro que, para que isso seja possível, também é preciso estar atento ao gerenciamento de riscos. Por isso recomendamos o nosso post especial sobre esse assunto. Ao unir as dicas acima, é certo que você terá acesso à carteira ideal para você!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin