Letra de Câmbio: conheça os detalhes

Letra de Câmbio

Quando falamos sobre Letra de Câmbio, há uma confusão sobre o seu significado, visto que muitas vezes ela é atrelada a moedas, dado o seu nome. Na realidade, o ativo não tem ligação com o dinheiro de outros países, mas sim a um grupo da renda fixa.

Neste artigo, explicaremos como funciona o investimento em Letra de Câmbio, bem como as suas vantagens e desvantagens e o perfil dos investidores deste tipo de ativo. Continue a leitura e confira!

Como funciona o investimento em Letra de Câmbio?

A Letra de Câmbio é um título de renda fixa bastante similar ao CDB, à LCI e à LCA. Apesar de sua popularidade não estar tão alta quanto a dos ativos citados como próximos, a sua procura no mercado vem crescendo, justamente por oferecer uma rentabilidade maior e ser uma opção segura para a composição de uma carteira de investimentos.

Tal título tem a emissão feita por bancos, sendo uma forma utilizada por financeiras na captação de recursos no mercado e empréstimo aos clientes. Se for comparada aos bancos, tais instituições apresentam maior risco na captação dos recursos e, em contrapartida, supera em diversas vezes a remuneração ofertada pelos bancos para os CDBs.

Vale destacar que o rendimento desse título pode ser ligado ao CDI ou combinado a uma taxa fixa junto ao IPCA, por exemplo, seria algo como 110% do CDI ou 4,5% + IPCA. Assim como acontece com outros títulos da renda fixa, o risco do investimento é reduzido, pois existe um fundo garantidor de crédito, FGC, que atua como seguro para investimentos até R$ 250 mil, caso a instituição financeira venha a falir.

É válido dizer que o investimento apresenta um prazo, logo, quanto mais tempo ele passar aplicado, mais rentável será. Ademais, ele oferece três modalidades diferentes ligadas ao prazo de remuneração, que são conhecidas como prefixadas, pós-fixadas e híbridas. A seguir, confira o comportamento de cada um dos tipos de ativos.

LC prefixada

Nesta categoria da Letra de Câmbio, você sabe exatamente o quanto o seu investimento renderá. Assim, no momento que for fazer a aplicação, é possível saber com maior propriedade o quanto você receberá sobre aquele montante.

LC pós-fixada

Essa modalidade trabalha em cima de uma estimativa do quanto será recebido na data de vencimento. Isso acontecerá, pois a remuneração do investimento está ligada à taxa CDI, que oscila conforme o mercado financeiro. Essa é considerada a opção mais segura entre as modalidades das Letras de Câmbio.

LC híbrida

Como o próprio nome sugere, a Letra de Câmbio híbrida mescla as opções prefixadas e pós-fixadas. Ou seja, parte da renda está relacionada a juros prefixados e a outra ao chamado indexador, que pode ser o CDI ou mesmo IPCA, que é o Índice de Preços ao Consumidor, como é conhecido o índice inflacionário brasileiro.

Qual o perfil do investidor dessa modalidade?

A Letra de Câmbio é indicada para qualquer investidor da renda fixa e que está buscando a diversificação dos seus investimentos de maneira conservadora e, ao mesmo tempo, rentável, sendo uma opção direta ao Tesouro Direto, mas também às LCIs, LCAs e CDBs.

Mesmo aqueles investidores com perfil mais arrojado costumam proteger uma parte do seu dinheiro em investimentos de renda fixa. Logo, pode-se dizer que tal ativo serve a qualquer perfil de investidor.

Quais são as principais vantagens e desvantagens de investir em LCs?

As LCs oferecem algumas vantagens aos investidores, o que as torna ainda mais atrativas. No entanto, é importante estar atento também às desvantagens. Confira a seguir os prós e contras de tal investimento!

Garantia do FGC

Como já foi dito, o Fundo Garantidor de Crédito garante o pagamento de até R$ 250 mil por CPF, caso a instituição financeira quebre e de alguma forma não tenha como arcar com o pagamento dos seus investidores.

Isso traz mais segurança para o investidor, ainda mais considerando o fato de que ele variará os investimentos, alocando os recursos em diferentes ativos, o que permite ainda mais rentabilidade.

Rendimento maior que a poupança

O rendimento da poupança está um pouco acima de 3,5% ao ano, sem contar a taxa referencial, o que faz com que ele equivalha a cerca de 70% da taxa Selic. Se considerarmos a inflação anual a ser descontada, o valor que em 2019 foi de 4,31%, a poupança teve um rendimento abaixo do esperado.

Logo, investir na Letra de Câmbio passou a ser mais atrativo, visto que ela tem por comportamento o pagamento de cerca de 100% do CDI, que foi de 5,94% em 2019. Mesmo tendo os descontos tributários relativos a impostos de renda, a rentabilidade líquida é bem maior se comparada à poupança.

Tributação das LCs

Talvez uma das maiores desvantagens das LCs seja justamente a incidência da tributação do imposto de renda. Quanto menor o tempo que o investimento passar alocado, maior será o percentual do imposto. Confira alguns exemplos a seguir:

  • caso o investimento permaneça até 6 meses, o imposto cobrado será de 22,5% sobre o lucro;
  • caso o tempo de permanência do ativo esteja entre 6 meses e 1 ano, o percentual a ser cobrado é de 20%;
  • se for entre 1 e 2 anos, o valor cai para 17,5%;
  • para mais de dois anos, o percentual fica em 15%.

Além do Imposto de Renda, a Letra de Câmbio também recebe a cobrança do IOF, que é o Imposto sobre Operações Financeiras. Nesse caso em específico, a sua incidência só ocorre caso a aplicação seja movimentada nos primeiros trinta dias. Do contrário, o IOF será devolvido em sua totalidade!

Valor mínimo de aplicação

O valor mínimo de aplicação das Letras de Câmbio também está um pouco acima se comparado a outras aplicações da renda fixa. Quando elas são emitidas pelas financeiras, costumam ter uma base mínima de investimento de R$ 1 mil.

Sem contar o fato de que alguns papéis têm carência, o que significa que os recursos devem ficar aplicados dentro de um período de tempo. Ou seja, é um investimento sem liquidez, o que faz com que, independentemente do prazo escolhido para resgate, você só poderá sacar o montante após tal vencimento.

Como visto dentro da própria Letra de Câmbio, existem modalidades distintas, o que influenciará na hora de escolher a melhor opção, seguindo o princípio do perfil de investidor e também os objetivos pessoais para a rentabilidade recebida. De modo geral, vale a pena apostar uma parte dos seus recursos nessa opção.

Inclusive, um dos detalhes mais importantes diz respeito à quantia a ser investida. Considerando ativos da Bolsa de Valores, as opções de renda fixa exigem menor aporte do investidor, que poderá iniciar com uma pequena quantia. Quer entender melhor? Descubra como investir com pouco dinheiro!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin