Benchmark financeiro: o que é e qual a importância

Benchmark-financeiro

Como saber se determinado ativo vale a pena? Muitas pessoas acreditam que o valor positivo já é um bom indicador, porém, a avaliação deve ir além. Nesse caso, entra o benchmark financeiro, que pode ser entendido como os índices cruciais para saber se um ativo de fato terá um bom rendimento.

Mas, afinal, como tal ferramenta ajuda no entendimento do mercado? A ideia deste artigo é justamente explicar mais sobre o que é, sua importância e os principais benchmarks utilizados. Confira!

O que é benchmark financeiro?

O termo benchmark é utilizado em diferentes setores corporativos para destacar a comparação de mecanismos, processos, objetos ou mesmo resultados. Quando se trata de finanças, a sua utilização é ligada a um Índice de Referência, que tem por objetivo a atuação como um parâmetro comparativo, sendo bastante útil para a análise de performance de um determinado ativo, bem como uma carteira de investimentos.

No caso de um benchmark financeiro, podemos fazer a divisão deles em dois tipos. O primeiro deles é para medir e comparar a performance de aplicações na renda fixa. Enquanto o segundo faz o processo com ativos da renda variável. Isso ajuda a ter mais clareza, especialmente, se você quer viver de dividendos.

Qual a importância de utilizar o índice?

Imagine a seguinte situação: você tem um ativo com rendimento de 10%. Então, se pergunta: isso é algo bom ou ruim? A resposta mais acertada para esse caso é “depende”. A rentabilidade absoluta de um ativo não diz muito sobre ele. Isso porque ele precisará ser comparado a alguma coisa para você saber se é bom ou ruim.

Para entender a importância da utilização do índice, é preciso levar em consideração o fato de que a utilização desse recurso o ajudará a ter uma ideia mais clara sobre a valorização de um ativo e fazer uma comparação correta da sua aplicação. Afinal, não adianta contrastar um ativo de renda fixa com um de renda variável.

Além disso, o benchmark financeiro serve para fazer a diferenciação da rentabilidade, compreendendo se ela é nominal ou real, possibilitando, assim, uma comparação mais eficaz.

Quais são os principais benchmarks financeiros?

No mercado, temos diferentes benchmarks financeiros. Seja qual for o seu investimento, você deve saber que fazer o comparativo é o melhor passo para conseguir a avaliação da rentabilidade. Veja, abaixo, os principais.

Inflação

A inflação é um aumento contínuo e generalizado de preços em uma economia. É a perda do valor do dinheiro ao longo do tempo. Ter uma rentabilidade superior à inflação é crucial para que um rendimento seja bem-sucedido, independentemente de ele ser capaz de superar outros benchmarks.

Logo, se um investimento tem um rendimento abaixo da inflação, na verdade poderá deixar o investidor mais pobre. Afinal, não é possível repor a desvalorização do dinheiro. Apenas uma rentabilidade positiva fará com que o investidor fique mais rico, porque o patrimônio crescerá.

Quando se trata de inflação, existem diversos índices que podem ser utilizados como benchmark, entre eles se encontra o IPCA. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo é utilizado para medir o preço médio necessário para a compra de bens de consumo e serviços, sendo um dos principais indicadores de tendências de inflação.

Taxa DI e Selic

A taxa DI ou CDI, é uma tarifa de juros que incide sobre as operações de crédito entre as instituições financeiras. Se um banco fica com um caixa negativo, por exemplo, ele pode recorrer ao mercado interbancário para fazer empréstimo junto daqueles que têm sobras.

O CDI está bastante próximo da Taxa Selic (básica de juros), o que equivale à taxa livre de risco da economia. Assim, você consegue investir nas aplicações mais conservadoras da economia, como os títulos públicos, e obter uma remuneração sem praticamente correr riscos.

Tal taxa é um dos principais benchmarks de aplicações de renda fixa conservadoras. Os investimentos desse tipo podem pagar um percentual maior ou menor do CDI, dependendo do risco. Fundos multimercado, por exemplo, que correm um pouco mais de risco tendem a superá-los. Se o investimento, por sua vez, indicar um pagamento muito abaixo do CDI pode não valer a pena.

Por sua vez, temos a Selic que é a taxa básica de juros. Ela caminha bem próxima do CDI, a diferença é que ela é utilizada para parâmetro de negociação de títulos públicos, como é o caso dos investimentos no Tesouro Direto.

Ibovespa e índices setoriais da bolsa

O Índice Bovespa (Ibovespa) é considerado o principal benchmark financeiro quando se trata de investimentos em renda variável. Ele indicará a performance de ativos negociados na bolsa de valores, representando as principais empresas do mercado que têm capital aberto.

Vale a pena ressaltar que a bolsa não tem apenas esse índice, existem outros que merecem ser levados em consideração, variando conforme os ativos e outros detalhes, como segmento específico, sejam empresas do setor financeiro, menor capitalização, entre outros. Os principais são:

  • Índice Brasil 50 — que reúne as 50 ações mais negociadas na bolsa de valores;
  • Índice Small Cap — que reúne os empreendimentos de menor capitalização;
  • Índice Financeiro — que reúne as negociações em ativos do mercado financeiro;
  • Índice Imobiliário — mais um índice setorial, associa médias de ações de empresas que estão alocadas no mercado imobiliário.

Ptax

A Ptax é uma taxa de câmbio que tem o seu valor definido por um cálculo diário feito pelo Banco Central do Brasil. Para isso, é utilizada uma média das taxas de dólar durante 4 janelas do dia. Tal valor é informado pelos dealers, tendo como referência o preço do dólar em D2, ou seja, dois dias úteis.

Tal taxa é usada como referência para aqueles investimentos baseados em moedas, como é o caso dos fundos cambiais. O valor é calculado tendo como base a cotação do dólar à vista, que é negociado ao longo do dia. Como dito, são quatro janelas que serão somadas e, a partir disso, obtida a taxa média que é praticada no mercado cambial.

Existe uma periodicidade ideal para fazer benchmark financeiro?

A periodicidade ideal de acompanhamento de benchmarks financeiros deve respeitar um período a ser definido pelo tipo de investimento. No caso do Ibovespa, o seu acompanhamento deve ser feito de maneira diária, pois a bolsa sofre oscilações constantes. Em outros casos, é possível estender o prazo, acompanhando mês a mês.

O benchmark financeiro é utilizado como comparativo mais confiáveis quando se trata do mercado financeiro. Logo, a partir de uma análise, é possível entender melhor a dinâmica da sua carteira de investimentos e a rentabilidade que ela terá ao longo do tempo. Portanto, é fundamental conhecer bem os índices para fazer um embasamento correto.

Para continuar lendo conteúdos sobre o mercado financeiro, day trade e outras questões, assine nossa newsletter!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin