PSL em crise?

psl-crise

A semana que se encerra no dia 18 de outubro de 2019 teria como destaque a votação, no Supremo Tribunal Federal, de ações relativas à possibilidade, ou não, de executar uma pena de prisão derivada de sentença penal condenatória ante o trânsito em julgado do processo. Afora as discussões relativas à constitucionalidade dessa medida, o mercado da política olha essa questão a partir de 4 letras: Lula. Isso porque, a depender do resultado da votação do STF, o maior líder da esquerda brasileira poderá ganhar as ruas e, assim, arrumar o combalido Partido dos Trabalhadores, partido ainda hegemônico da esquerda nacional. O que isso representaria? Dificuldades para o Governo para aprovar as próximas reformas, uma vez que a oposição ganharia um líder de peso.

Oposição ao Governo

Como eu disse, esse seria o destaque político da semana. Mas não foi em virtude do rápido escalonamento bélico na base de apoio do próprio Governo, no partido do Presidente da República. PSL em crise? O partido com 53 deputados, mostrou uma crise inédita na história do Presidencialismo: em 10 meses de governo o partido não somente rachou como uma ala, mas chegou a se opor ao governo. Essa surrealidade revela 2 características do Governo. Primeira, o núcleo central do Governo é patriarcal e belicoso. De certa maneira, o Presidente tende a confiar a seus filhos os cargos mais relevantes em momentos de tensão, tanto que operou pessoalmente a destituição do Deputado Delegado Waldir da liderança do PSL na Câmara. Isso atraiu para o Palácio no Planalto uma crise que deveria ser partidária e indica um hiato de avaliação sobre quais assuntos deveriam ter a participação direta do Presidente da República, envolvendo-se em questões menores da política, como a articulação para a liderança do partido. Essa segunda característica: o Presidente se envolve, muito, com questões menores da política. Isso terá consequências daqui para frente, pois o Congresso irá trabalhar na medida exata desse quadro delimitado por Bolsonaro, isso é, os líderes irão tratar as grandes questões com outros integrantes do Governo que não o Presidente da República, pois este emite sinais que sua articulação é gasta para questões mais pontuais da política.

Ganham espaço, assim Paulo Guedes (pelo lado do Governo) e Rodrigo Maia (pelo lado da Câmara), pois ambos mantem uma postura de dialogar sobre questões maiores da política, como as reformas. As do momento são a administrativa (pelo lado de Guedes) e a tributaria (pelo lado de Maia).

O novo líder

Joyce Hasselman (pré-candidata a prefeitura de São Paulo pelo PSL) foi destituída do posto de líder do Governo no Congresso. Rapidamente, em um movimento que eu considero acertado para a tentativa de resgatar a governabilidade, o Governo anunciou o Senador Eduardo Gomes, do MDB do Tocantins, como o novo líder no Congresso. Crédito acertado esse movimento, porque o Senador é político experimentado, com passagens exitosas pela Câmara dos Deputados e agora no Senado. A prerrogativa de indicar o líder do governo é do Planalto. Mas a liderança dos partidos é escolha dos partidos e, no caso da liderança do PSL na Câmara, o fado foi em ritmo de punk rock: após uma lista de assinaturas destituindo o Deputado Delegado Waldir, operada pelo Presidente da República a favor do Deputado Eduardo Bolsonaro, o parlamentares não alinhados deram um jiujitsu e apresentaram uma segunda lista, com mais assinaturas, mantendo o Deputado Waldir na liderança do PSL. Foi uma derrota pessoal do Presidente em sua própria casa e, ainda por cima, adiou a indicação de seu filho para ser o embaixador em Washington (a indicação foi suspensa). 

Dessa forma, o cenário de briga pela liderança do PSL (que estamos alertando aqui desde junho), a soltura ou não de Lula acaba ficando em segundo plano, pois ao que parece a maior oposição ao governo vem de dentro. Saem fortalecidos o MDB (que agora tem a liderança do Governo no Senado e no Congresso) e líderes como Rodrigo Maia, que ficou foi alçado ao posto de magistrado da briga interna do PSL.

Gostou deste artigo? Quer continuar recebendo informações? Assine a nossa lista do Telegram!

Veja também no canal do Youtube mais matérias exclusivas.

Escrito por Rafael Favetti, exclusivo para CM Capital e.PLUS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin