Os percalços da reforma

percalços-reforma

A primeira semana de outubro foi marcada pela votação, em 1º Turno, da Reforma da Previdência no Senado Federal.

O clima que ficou fio de derrota para Paulo Guedes e para o Governo, uma vez que um destaque de bancada relativo ao benefício assistencial desidratou a reforma em R$ 133,2 bilhões, foi inesperado. Logo na noite da votação foi um festival de achar culpados. O Presidente do Senado Davi Alcolumbre criticou o Governo, o Governo criticou Alcolumbre pela falta de maturidade para a condução da sessão e o Senadores de toda coloração política se irritaram com a reação do Ministro da Economia.

A desidratação em si foi menos gravosa do que a perspectiva causada pela votação. Mostrou que o Governo pode sofrer derrotas inesperadas. Duas, mostrou que a leitura de Davi Alcolumbre do painel de votação ainda não está calibrada. Três, é uma prova que a Secretaria de Governo, do General Ramos, ainda não está desempenhando seu papel com maestria. Por fim, a reação de Guedes ao texto aprovado seria razoável se ainda não tivesse um 2º Turno de votação para a reforma da previdência. Os efeitos colaterais são ainda mais impactantes se olharmos como os Deputados Federais irão ler essa movimentação dos Senadores. Os Deputados foram mais rígidos que os Senadores e podem se questionar sobre quais incentivos eles tem para votar medidas impopulares, e isso pode afetar futuras reformas. A PEC paralela da Previdência (que inclui os Estados e Municípios) está no Senado e, quando for para Câmara, pode sofrer reveses.

Reforma: Câmara x Senado

Há uma disputa entre a Câmara e o Senado atualmente em dois flancos. O primeiro é a reforma tributaria (ambas as Casas tem projetos de reforma) e o outro é a repartição dos recebíveis da cessão onerosa da Petrobras, uma vez que os Senadores estão mais pendentes a que o repasse seja maior para os Estados enquanto líderes importantes da Câmara brigam por partes maiores aos municípios. Essa divergência está causando muitos ruídos e teve impacto na votação da reforma da previdência, pois Senadores usaram a Previdência como uma forma de pressão. É consenso que se o Governo tivesse um poder de pauta maior, esse deslize não teria acontecido.

Diante disso, esse fato nos ensina é que as reformas estão a cargo das lideranças do Senado e da Câmara, com pouca relevância do poderio do Governo. E a reação de Guedes criou outro problema, que Davi Alcolumbre terá que contornar, pois os Senadores se irritaram com a reação do Ministro da Economia, que chegou a cancelar agendas que teria com parlamentares.

Se a desidratação não estava no radar do Governo, essa rusga com Senadores é mais uma “bomba” a ser desarmada. Ninguém aposta que o Secretário de Governo conseguirá desarmá-la e todos apostam que a personalidade de Guedes dificultará o desarme. Assim, caberá ao Presidente do Senado, que a Secretaria de Governo classificou de imaturo para lidar com o Plenário na noite fatídica da votação, ser o perito no desarme. Pesa a favor de Davi seu partido, que tem Senadores experientes, bem como seu conselheiro Rodrigo Maia, que é extremamente hábil para lidar com Paulo Guedes.

Fim da linha

Consequentemente, Guedes ficou sem fusível para queimar, que seria o papel do General Ramos (Secretario de Governo), e assim sua colisão o desgasta pessoalmente. Enfim, essa tensão tem impacto imediato no calendário traçado para a PEC 6 (reforma da previdência) e dificilmente, nesse cenário, a PEC será votada até 10 de outubro como estava prevista. E sem a votação final da Previdência, não há ambiente político para que o Governo envie as outras reformas (como a administrativa) ou seu texto da reforma tributária. O que seria ruim para o calendário (a santificação de irmã Dulce dia 13 de outubro) vai acabar sendo um fato politicamente bom, pois dará o pretexto necessário para que Alcolumbre ganhe tempo sem dizer que o calendário inicial não deu certo.

Gostou deste artigo? Quer continuar recebendo informações? Assine a nossa lista do Telegram!

Veja também no canal do Youtube mais matérias exclusivas.

Escrito por Rafael Favetti, exclusivo para CM Capital e.PLUS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin