Esquecendo o PSL?

politica-psl

A semana que antecede o dia das crianças, de Nossa Senhora e da Santificação de Irmã Dulce, foi marcada politicamente por um clima de muita tensão entre o Presidente Bolsonaro e seu próprio partido: o PSL. A divergência tornou-se pública e pautou todas as conversas em Brasília, ainda mais depois que o Presidente deixou vazar que sairia do Partido, fato que, depois de ouvir juristas, parece ter voltado atrás por enquanto.

Afora os arroubos de Bolsonaro e do Deputado Federal Luciano Bivar (Presidente do PSL), que se atacaram (cada um a sua maneira) mutuamente, o fato é que o PSL é atualmente o maior partido da Câmara dos Deputados e, derivado do sucesso nas eleições de 2018, possui o maior volume de recursos dos fundos partidários e eleitorais. Esses fundos transformam o partido em uma agremiação extremamente atrativa para as eleições municipais de 2020, uma vez que para o próximo ano ainda valem as regras de financiamento público e proibição de financiamento eleitoral por empresas privadas.

Momento de recuo

Bolsonaro teve que recuar ante a situação de seus filhos (um Deputado Federal e outro Senador) e dos seus fiéis parlamentares, que não teriam, por agora, partido a serem recebidos de braços abertos. Por enquanto fica assim: ruim no PSL, mas é o que se tem. Ao menos até 2021, após as eleições municipais, os fiéis a Bolsonaro estão reféns da diretoria do partido. A crise entre os parlamentares bolsonaristas e os mais independentes do PSL abre espaço para os “não fiéis” adotarem a narrativa “Moro meu candidato”, o que vai acirrar mais ainda a tensão interna do partido. Assim, essa crise está longe de acabar, ate porque o jeito PSL de fazer política é via redes sociais, isto é, de espalhar e tornar públicas as diferenças internas, o que dificulta colocar panos quentes no assunto.

Por outro lado, o PSL sofre de crise de liderança desde que sua bancada assumiu, fato já dito aqui neste BLOG. Do ponto de vista de Bolsonaro, está corretíssima a estratégia de se afastar do PSL, pois estouram acusações de caixa 2 nas eleições pelo partido e nada mais natural que Bolsonaro, que sempre criticou o caixa 2 como velha política, se afaste do partido nesse cenário. No dia a dia do PSL, é evidente que quem domina a máquina partidária se sente incomodado com a evidente independência de Jair Bolsonaro do partido: é o caso do Senador Major Olimpio, que é um quadro político que domina o partido no maior colégio eleitoral do país (São Paulo).

Avançando com o Governo

O Governo conseguiu aprovar, no Senado, a MP do Código do Florestal e a MP que regulamenta os recursos declarados perdidos pela Justiça, o que pode ser visto com uma vitória de Sergio Moro que, apesar de não muito expressiva, é um alento ao Ministro que colecionava derrotas no Congresso.

Logo, o Governo conseguiu avançar quanto a Lei de Diretrizes Orçamentarias, que é sempre um marco da atividade legislativa. Na Câmara, houve avanço quanto à repartição dos recursos do pré-sal (o Projeto foi encaminhado ao Senado) e a equipe econômica fez um golaço ao conseguir, no Tribunal de Contas da União, a aprovação das regras do megaleilão do pré-sal.

Gostou deste artigo? Quer continuar recebendo informações? Assine a nossa lista do Telegram!

Veja também no canal do Youtube mais matérias exclusivas.

Escrito por Rafael Favetti, exclusivo para CM Capital e.PLUS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin