Bolsonaro e o caso Marielle Franco

bolsorano-marielle

A última semana de outubro foi marcada pela reação do Presidente Jair Bolsonaro a uma reportagem veiculada pelo Jornal Nacional da Rede Globo de Televisão. Em síntese, noticiou-se um testemunho do porteiro do condomínio da residência da família Bolsonaro no Rio de Janeiro, no qual se afirmou que um dos assassinos de Marielle Franco teria ido à casa do então deputado federal Bolsonaro logo após o crime. A reação do Presidente foi imediata, ríspida e bélica e dominou os debates políticos e institucionais na semana que o Ministério da Economia pretendia divulgar medidas de recuperação do emprego.

No plano institucional, diversos agentes de primeiro escalão saíram em defesa de Bolsonaro. Sergio Moro, Ministro da Justiça e Segurança Pública, movimentou a Polícia Federal para apurar eventuais irregularidades do inquérito policial. Foi uma demonstração muito forte de fidelidade de Moro a Bolsonaro, pois essa movimentação do Ministro pode ser, no futuro, questionada quanto a sua correição. O Advogado-Geral da União, Ministro André Mendonça, também mandou abrir investigações sobre participação de servidores no vazamento do testemunho do porteiro. Mendonça, candidatíssimo a Ministro do Supremo, mais uma vez demonstrou total alinhamento a Bolsonaro. Destaco esse rally de fidelidade entre Moro e Mendonça, pois existe a perspectiva de indicação para as 2 próximas vagas ao STF (meu call é de que a primeira, do ano que vem, será preenchia por André Mendonça).

Caso Marielle e o falso testemunho

Imediatamente, Augusto Aras, o Procurador-Geral da República, se manifestou arquivando um procedimento contra o Presidente e chamando o caso de factoide. O Vice-Presidente General Mourão se alinhou imediatamente a versão do Presidente. Reputo esse movimento de Mourão como o mais importante entre os que mencionei, porque é pelas movimentações do Vice-Presidente que entendemos o que está por trás dos muros dos quartéis.

Afora esses agentes de primeiro escalão do governo federal, o episódio contabilizou vitoriosos e abatidos. Carlos Bolsonaro, o filho vereador do Presidente, saiu muito fortalecido e compensou o estrago que havia sofrido dias atrás quando publicou, na conta das redes sociais do pai, um vídeo com um leão (Bolsonaro) atacado por hienas (diversas instituições). O Governador do Rio saiu abatido, pois Bolsonaro virou seus canhões contra Witzel acusando-o de manipulação das investigações e vazamentos.

A reação de Bolsonaro via vídeo gravado em um quarto de hotel, foi o estopim para bolsonaristas ativarem sua rede impressionante de comunicação via mídias sociais. O inimigo que os uniu, dessa vez, foi à rede Globo. A força mostrada pelo bolsonarismo após o vídeo assustou a oposição, mas principalmente os antigos aliados, que foram como que relembrados da capacidade direta e imediata que Bolsonaro tem com seus seguidores.

Em meio ao caos…

Nesse momento em que se notou o fim da queda de popularidade do Presidente, a tensão dessa semana foi como uma segunda facada simbólica em Bolsonaro, que ele demonstra ter capacidade de, mais uma vez, sair fortalecido. Mais acostumado com a cadeira de Presidente, sem partidos políticos comandando ministérios, com ministros apontados por Olavo e lava-jato (que são base de apoio de Bolsonaro), com o aceite de Mourão e com seus rednecks replicando incansavelmente suas versões via whatsapp, Bolsonaro vive seu melhor momento na Presidência, não importando que projetos da Economia sofram atrasos. E mais: com a reforma da previdência aprovada, agora Bolsonaro tem manancial de cobrança em cima de Paulo Guedes.

Por outro lado, o Presidente ofereceu de bandeja para a oposição e aos seus ex-aliados o que lhe tira do sério. Daqui pra frente, todo aquele que quiser tirar Bolsonaro do eixo saberá como fazê-lo. Os filhos do Presidente continuam a veicular a versão de que tudo se trata de uma disputa entre a esquerda versus direita. Mas, na realidade, essa é uma dicotomia muito mais de apelo eleitoral do que real, pois as principais oposições ao Governo não vêm da esquerda, mas de ex-aliados. Entretanto, essa narrativa dicotômica esquerda x direita ainda é eficaz porque tem capacidade de mobilização, apesar de ser falsa na concretude da política do dia a dia. E os Bolsonaros dominam esse campo da narrativa de embate direita x esquerda como ninguém.

Gostou deste artigo? Quer continuar recebendo informações? Assine a nossa lista do Telegram!

Veja também no canal do Youtube mais matérias exclusivas.

Escrito por Rafael Favetti, exclusivo para CM Capital e.PLUS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin